Sobre “ DESISTIR”

Definição do Dicionário Oxford: “não prosseguir em um intento, abrir mão voluntariamente de (algo); abster-se, abdicar, renunciar.


Estive avaliando tantos comportamentos que se fizeram presentes desde a pandemia, e é certo, que esses comportamentos já deviam circular por aí, mas eu nunca havia me dado conta, talvez, por que será que temos tanto medo de DESISTIR? Fico pensando se seria pelo fato de que uma “desistência” talvez tenha uma relação muito próxima de completo FRACASSO, será?


Quando vejo histórias de superação, e recomeços, de mudança de rumo, de resiliência fico admirada, mas como saber até onde ir? Como saber até quando insistir numa trajetória, seja ela um negócio, uma amizade, um casamento? Um emprego? Afinal, O que é “dar certo”?


-Você entende que uma separação de um casamento após 25 anos não deu certo? E tudo que foi construído? E os filhos maravilhosos que foram concebidos? E os ensinamentos que te transformaram na pessoa que você é hoje? Estudou tarde? Teve apoio do companheiro? Não teve, mas estudou assim mesmo? Trabalhou muito e não acompanhou o crescimento dos filhos como gostaria, mas ensinou aos filhos que às vezes a vida requer que se faça o que precisa ser feito, independente do que o nosso coração manda.


-Descobriu que nem sempre conseguimos fazer apenas aquilo que gostamos, e aqui a lição é gostar daquilo que se faz, quando não é possível acontecer o contrário, quer seja: fazer apenas aquilo que se gosta.


-E aquele empreendimento que você tanto sonhou, aconteceu, e não teve o sucesso (financeiro) esperado, mas de lá vieram tantas outras lições de vida como apoiar aquelas pessoas que te procuraram, aprendeu a meditar, a fazer yoga, o que a física quântica tem a ver com sua vida, e que você é única pessoa responsável por tudo que você tem ou ainda não tem? Aprendeu?


-No quesito realização material, sabe aquele dinheiro que você gastou para ter um carro, uma casa, o celular da moda, tudo financiado a perder de vista, que depois de um curto tempo você percebeu que não fazia muita diferença e foi capaz até de colocar uns defeitinhos, o que pode ter dado inclusive uma vontade de DESISTIR daquele momento insano que foi o momento da compra?


-Porque somos seres humanos em constante aprendizados, mudamos de ideia, nos arrependemos, erramos nas nossas avaliações, nas escolhas, nas vontades e até nos sonhos que às vezes achamos ter. às vezes o sonho tenha tomado o caminho errado, e na desistência podemos traçar outros rumos, de outras formas. E quem disse que quem faz o que ama, também não se cansa? DUVIDO MUITO.


Em uma rápida pesquisa na internet sobre DESISTIR, não achei nenhum conselho a favor, mas achei inúmeros incentivos para prosseguir, não desistir jamais, descansar, porém não desistir, não parar etc., o que reforça a sensação de “desistência = fracasso.”


Lembre-se da definição do dicionário Oxford “não prosseguir em um intento, abrir mão voluntariamente de (algo); abster-se, abdicar, renunciar.” daquilo, daquela forma, daquele lugar, você pode levar a essência, e transformá-la em algo diferente, mas igual, mas acima de tudo lembre-se que você pode fazer o que quiser e da forma que achar melhor, inclusive desistir, mas não permita que esse momento (sim, é um momento, outras coisas virão) faça você se sentir um fracassado, afinal, “PARA DESISTIR, TAMBÉM É PRECISO CORAGEM”.


E você já desistiu de algo?


Lúcia Helena Calado

Terapeuta Naturopata


3 visualizações0 comentário