Meu aprendizado com Nino, meu gato.

Esse nas fotos é o Nino, um dos meus gatos. Ele e a Gaia, minha outra gatinha, alegram os nossos dias aqui em casa.

Dizem que os gatos são seres mágicos e elevados espiritualmente. Não vou escrever sobre isso, mas sim sobre o meu aprendizado com o Nino, nos momentos mais inusitados que ele me proporciona diariamente.


Na primeira foto, ele está hipnotizado em frente à sua fonte de água. Ele só bebe água corrente e sua fonte é seu objeto de admiração. Ele sabe exatamente a importância da água na vida dele. Água limpinha, fundamental para sua sobrevivência. Quando vejo ele e sua fonte, começo a refletir como nós estamos cuidando das nossas águas, das represas que abastecem nossas torneiras diariamente, dos rios e dos oceanos. Parece que a espécie humana não tem valorizado nossas águas como deveria, não é mesmo? Lançamos em nossos rios e oceanos todo e qualquer tipo de poluente, sejam domésticos ou industriais. Lixo na rua que vai do esgoto para os rios. Quando vamos nos conscientizar que sem água não sobrevivemos?


Na segunda, ele está debaixo de uma Scheflera que ganhei de um amigo que cultiva um jardim só com espécies da Mata Atlântica em Bertioga. Nesse jardim, a Scheflera é uma planta invasora que prejudica as espécies nativas. Aqui em casa, virou sombra para o Nino. Ele adora ficar debaixo da Scheflera, em dias de calor, como se estivesse à sombra de uma árvore. Isso, inevitavelmente, me faz lembrar como as árvores, e as plantas de um modo geral, são importantes para o nosso planeta e da necessidade urgente em preservá-las. Elas são de extrema importância para o controle da temperatura do nosso planeta, por exemplo. Basta pensarmos em um local com, e outro sem árvores, em um dia de calor. Onde você gostaria de estar? Além disso, as plantas são a base de qualquer cadeia alimentar. Sem plantas, não temos alimento.


Na 3a. foto, ele está em frente à janela do meu quarto. Todos os dias pela manhã ele se dedica a ficar em frente a janela, observando tudo atentamente. “Não pisca o olho”. Aí eu fico pensando quantas vezes eu consigo ficar assim, parada, só observando o que está a minha volta, aproveitando o momento que estou vivendo. Normalmente, me vejo em um local, numa determinada situação prazerosa e não aproveito, porque estou mergulhada em um turbilhão de pensamentos que não me fazem estar presente. A meditação tem me ajudado muito em relação a isso. Controlar a respiração e ter atenção plena no “aqui e agora''.


E você, o que tem aprendido no convívio com seus animais de estimação?



Texto de Maria Luiza Ledesma Rodrigues

Bióloga e membro da equipe Selem








15 visualizações0 comentário